Oi gente!

Hoje é dia de entrevista, e a autora da vez é a querida Cristina Deutsch. A pouco tempo publicamos uma resenha da obra mais recente da autora, Na escuridão dos dias. Um livro recheado de cultura, de drama e de relatos de guerra e pós-guerra, e o mais importante, baseado em fatos reais. Se você não leu, confira AQUI.

Vem conferir essa super entrevista que a autora cedeu ao blog, e conhecer um pouco mais sobre ela...

A autora
Cristina Deutsch, nasceu na cidade serrana de Petrópolis/RJ, e mudou-se em 1995 para a Alemanha, é autora de catorze livros até o presente momento, sua autobiografia, sete romances e seis infantis, além de ter participado de várias coletâneas com contos e crônicas. Atualmente participou do 3º Prêmio SFX de Literatura 2015 e teve seu conto "Desatino" premiado. A autora escreve também roteiros audiovisuais e possui inúmeras citações, poemas e pensamentos postados em seu blog e redes sociais. Gosta de gastar seu tempo lendo, escrevendo, fazendo aeróbica ou curtindo a família. 


Acompanhe o trabalho da autora:
Site | Blog | Fanpage Google + | Twitter | Tumblr | Skoob | Instagram

*****




Entrevista
Qual o seu maior objetivo com suas histórias?
Creio que o maior objetivo de um escritor é ser lido, mas não somente isso, quero com meus livros passar alguma mensagem, desde que seja boa e venha ser útil.

Quando percebeu que seu desejo era ser escritora?
Nunca almejei ser escritora, contudo desde criança escrevo e sempre me elogiavam, porém desejar “ser” nunca. Perceber?! Somente realizei ao ter meus livros impressos nas mãos.

O que a escrita afetou a sua vida? Mudou muita coisa?
Antes eu somente lia, agora escrevo também, e amo o que faço. Penso que, o que mudou são as exigências, quero sempre fazer melhor, o dilema é saber ao certo o que aperfeiçoar, onde e como. Eu mudei e estou mais experiente, embora tenha consciência que o aprendizado é algo diário. Quanto a afetar minha vida?!Jamais! Apesar das frustrações que fazem parte, escrever se tornou uma terapia, um fitness mental.

Como você critica e enxerga o seu trabalho?
Sou bastante exigente, embora esteja longe da perfeição. Entretanto, procuro fazer o melhor possível. Tomara que os leitores reconheçam isso.

Qual estilo literário que você escreve? Porque escolheu este estilo?
Sou romancista, no entanto, não me recordo de ter optado por ser, fui escrevendo e a narrativa foi criando corpo e alma. Não decidi nada, os personagens sempre decidem:  eu nunca.

Da onde veio a ideia para escrever o livro “Na Escuridão dos dias”?
Milla começou a sussurrar sua trajetória em meus ouvidos, e ela deixava bem claro que passou por perdas, inclusive de liberdade. Como conheço muitos cidadãos da Bósnia, procurei falar sobre o assunto, o que foi uma missão quase impossível. Uns sofrem ao relembrarem, outros parecem que participaram de uma festa. Incrível como as pessoas reagem de forma tão diferente a um evento catastrófico como este. Baseando-me nas lastimas de alguns, pude então criar um cenário para os personagens. Milla a protagonista relata tudo do seu ponto de vista.

Como foi o processo de criação dos personagens e da história em si?
No caso do livro “Na Escuridão dos dias” um tanto problemático, pois se trata de algo verídico, não podia escrever um livro falando da guerra e ignorar os fatos, embora tenha sido complicado, creio ter conseguido dar o rumo certo aos personagens.

Como foi retratar um cenário de guerra? Por que você escolheu essa temática?
Foi um tanto difícil, apesar de conhecer muita gente da Bósnia, muito se recusam a falar sobre, contudo, os que falaram me ajudaram na construção deste livro. Eu não escolho nada, quem escolhe é o personagem. Milla escolheu viver guerra e eu fui em busca de um pano de fundo.

O que você mais gosta nas próprias histórias? Qual a história e personagem que mais gostou de escrever?
Ups! Agora você me pegou! Gosto muito de tudo que faça refletir, meus livros sempre trazem mais realidade e verdades que romantismo. Dos livros que escrevi, gosto muito do Roque do livro “Sangue do Meu Sangue”, vive embriagado, um desiquilibrado que fará o leitor rir até 2050, e eu adoro ri, ele é muito comédia, apesar do livro ser um drama.

Como você encara as críticas negativas ao seu trabalho?
Sou muito observadora, falo pouco, etc...Quando percebo que a crítica veio de alguém com uma bagagem muito grande no ramo, e é construtiva, levo em consideração. As outras: ignoro e ainda agradeço quem criticou, pois existe uma diferença muito grande, entre “Ser e querer Ser”. No momento existe um numero muito elevado dos que querem “Ser” e como não posso agradar a todos, passo batido por elas.

Qual o seu autor preferido? Ele te inspirou a começar a escrever?
Gosto muito do Ken Follett, Nicholas Sparks e no Brasil muitos que aprecio. Não diria que me influenciaram, pois escrevo desde criança e, nem lia na época meus favoritos.

Como autora, qual é o seu maior sonho?
Quero ser lida reconhecida e poder me sustentar com meu trabalho.

Como leitora, o que você espera encontrar nos livros que lê?
Nunca leio um livro procurando um personagem parecido comigo, ou como gostaria de ser. Leio por que gosto e a leitura para mim um lazer, por isso não crio muita expectativas em cima das ficções, mas se tratando de uma autobiografia torço para que o protagonista supere todos seus fantasmas ou problemas e vença no final.

Você teve e/ou tem apoio de seus amigos e familiares quando decidiu começar a escrever? 
Não tenho apoio, às vezes tenho a impressão de que não me levam a sério. Observo isso nas redes sociais, nunca compartilham meus textos, não curtem minha pagina, entre outros. Alguns de meus familiares estão na minha pagina, pois soltei os bichos atrás deles, raramente pessoas que conheço participam em algo que faço, tenho encontrado mais apoio através dos blogueiros e pessoas desconhecidas. Os conhecidos a maioria ignoram o que venho fazendo, no entanto dão a maior força e apoio a pessoas já consagradas. Como não gosto e não posso ser ingrata, digo que meu irmão Fabiano e minha filha os únicos que me empurram pra frente e incentivam a continuar a caminhada.

Como você concilia a vida de escritora com a família?
Não tenho muitos problemas quanto a isto, minha filha adulta, toca a vida dela sozinha, e eu tenho tempo de sobra para fazer o que bem entender.

Você vem trabalhando em alguma obra nova? O que poderemos esperar dela?
Sim estou. Meu primeiro policial com uma pitadinha de comédia.

Como é a sua reação com os fãs? E como você se sente ao perceber que suas histórias agradaram tantos leitores?
Fico muito feliz, muito grata em ver meu trabalho sendo elogiado; reconhecimento é tudo de bom e certamente que adoro tudo isso.

Conte-nos mais sobre você. Quem é Cristina Deutsch?
Uma pessoa muito humana, gentil, tolerante, tranquila... é isso, sou muito na minha, não prejudico ninguém, e acho que dá para todos ganharem seu pão, seja como escritor ou como faxineiro.

Deixe algumas palavras para seus fãs.
Espero que continuem me apoiando, pois, vocês meus leitores queridos fazem toda a diferença na minha vida. Sem vocês não teria o porquê de escrever livros. Sintam-se por mim fortemente abraçados.


Vamos brincar de “E SE?”

E se você pudesse se teletransportar para dentro de alguma história, qual escolheria? Porque?
Seria Cinderela, só para ficar com sapatinho de cristal. hehehe

E se você pudesse dar vida a um personagem seu, qual seria?
Rafael de “Aguas Lindas” por ele ter uma história muito envolvente e de superação. 

E se você não precisasse se preocupar com dinheiro, o que você faria?
Viajaria, tenho um lado cigano em mim, eu viajaria de um país ao outro sem me preocupar com moradia fixa, etc...

E se você pudesse ter o poder de mudar algo no mundo, o que seria?
Se eu tivesse esse poder, faria um mundo sem violência, sem fome, inveja. No meu mundo todos seriam iguais financeiramente, intelectualmente...Enfim, um mundo tão perfeito que acho que alguém iria se rebelar e aprontar. hehehe

E se você pudesse voltar no passado, mudaria algo em sua vida? Porque?
Com exceção da minha filha e a decisão de viver na Alemanha, mudaria muita coisa, para lhe dizer a verdade, em alguns casos jamais repetiria a dose. Bem, ai dá pra você vê, à quantidade de merda que fiz. hehehe

E se você pudesse avançar 10 anos na sua vida, o que você gostaria de encontrar nela?
Muita saúde e realização pessoal e profissional. 


*****

Cristina, muito obrigada por dedicar um pouquinho do seu tempo para nos conceder esta entrevista. Te desejamos muito sucesso e muita inspiração.


Até a próxima!

Dai


2 Comentários

  1. Bom dia meninas lindas e lidas!
    Muito obrigada pelo carinho e dedicação. Amei de verdade responder o vosso questionário. Que venham muitas outras, pois terei imenso prazer em ser entrevista por vocês. Tudo de bom e muito sucesso! Beijos literários da CD.

    ResponderExcluir
  2. Mas é mesmo um amor essa escritora! Adorei ler a entrevista *------------*

    ResponderExcluir