A sonhadora Calpúrnia Hartwell sempre fez tudo exatamente como se espera de uma dama. Ainda assim, dez anos depois de ser apresentada à sociedade, ela continua solteira e assistindo sentada enquanto as jovens se divertem nos bailes. Callie trocaria qualquer coisa por uma vida de prazeres.
E por que não se arriscar se, aos 28 anos, ela já passou da idade de procurar o príncipe encantado, nunca foi uma beldade e sua reputação já não lhe fará a menor diferença? Sem nada a perder, a moça resolve listar as nove regras sociais que mais deseja quebrar, como beijar alguém apaixonadamente, fumar charuto, beber uísque, jogar em um clube para cavalheiros e dançar todas as músicas de um baile. E depois começa a quebrá-las de fato.
Mas desafiar as convenções pode ser muito mais interessante em boa companhia, principalmente se for uma que saiba tudo sobre quebrar regras. E quem melhor que Gabriel St. John, o marquês de Ralston, para acompanhá-la? Afinal, além de charmoso e devastadoramente lindo, ele é um dos mais notórios libertinos de Londres.
Contudo, passar tanto tempo na companhia dele pode ser perigoso. Há anos Callie sonha com Gabriel e, se não tiver cuidado, pode acabar quebrando a regra mais importante de todas – a que diz que aqueles que buscam o prazer não devem se apaixonar perdidamente.



Onde comprar:
Físico:  Amazon | Saraiva | Extra | Livraria da Travessa | Livraria Cultura 
Digital:  Amazon | Saraiva | Kobo | iTunes | Google Play 


Ficha Técnica do Livro
Páginas: 384 | Gênero: Romance de Época / Ficção | Formato: Impresso / E-book | ISBN: 9788580415049 | Idioma: Português | Ano: 2016



 


Lançado no mês de março pela editora Arqueiro, Nove Regras a se ignorar antes de se apaixonar é o primeiro volume da série Números do amor, da consagrada autora americana, Sarah MacLean. Quando bati os olhos nessa capa pela primeira vez, fiquei completamente apaixonada. Além disso, o título e a sinopse são bastante instigantes, e não deu outra, adquiri a obra o mais rápido que pude. Sarah é uma autora aclamada, ganhadora de diversos prêmios e possui obras traduzidas para mais de vinte idiomas, e eu estava super ansiosa para conhecer o seu trabalho. E para a minha total alegria e satisfação, ela me conquistou perdidamente e superou cada uma das minhas expectativas. Ao final do livro, pude comprovar que sua escrita faz jus a sua fama, e com toda a certeza, ela entrou para a minha lista de autoras favoritas. Mas vamos lá, vamos conhecer Callie e Gabriel, esse casal que arrebatou meu coração.

A senhorita Calpúrnia Hartwell é o verdadeiro exemplo de como uma dama da alta sociedade deve se portar. Ela não é considerada uma beldade para os padrões de moda, e por isso, cisma em esconder sua linda silhueta voluptuosa. Aos vinte e oito anos ainda é uma solteirona, o que a torna motivo chacota para muitos. Romântica sonhadora desde criança, Callie ainda acredita em casamento por amor e em príncipe encantado. Mas ela cansou! Cansou de nunca ser tirada para dançar, de ser subjugada por ser uma dama, de ser perfeita e seguir a risca todas os preceitos que a sociedade impõe. Ao menos uma vez na vida, ela quer se sentir viva, quer se aventurar e se entregar aos prazeres da vida. Então, com o apoio de seu irmão, que por sua vez, não quer saber de matrimônio, ela resolve arriscar. O que teria a perder? Por isso, resolve listar nove regras sociais que mais almeja quebrar, como beber uísque, fumar charuto, jogar em clube para cavaleiros, disparar uma pistola e dançar todas as danças de um baile. Motivada por uma coragem repentina, Callie resolve começar pelo primeiro item da lista: beijar apaixonadamente. E nada melhor do que o marques de Ralston, o libertino mais famoso de Londres, que reina em seus sonhos mais íntimos por mais de uma década, para realizar tal desejo.

“E se pudesse ter outra história que não o remendo sóbrio e chato de vida que possui agora? E se pudesse fazer todas as coisas que já sonhara? O que a impedia de dar esse salto?”

Gabriel St. John é um devasso de marca maior. Um homem charmoso e conceituado, que adora viver livremente e passa longe das mães que buscam um bom partido para casarem suas filhas. Depois de presenciar o sofrimento do pai quando é abandonado pela esposa, que deixou dois filhos pequenos a seus cuidados para cair no mundo, ele riscou a palavra amor de seu vocabulário. Porém, após a recente descoberta de uma irmã até então desconhecida, ele terá que assumir outra postura para conseguir inserir Juliana, que é fruto de um caso extraconjugal de sua mãe, na exigente e preconceituosa aristocracia londrina. Eis que surge Lady Hartwell, a pessoa ideal para ajudá-lo a conquistar seus objetivos. E por uma troca de favores, Callie passa a ajudar a jovem senhorita Fiorini a ser uma das melhores debutantes da temporada. Mas, sem querer, Gabriel passa a ser seu cúmplice em suas travessuras, um aliado ideal, que está mais do que acostumado a infringir regras. Contudo, ela terá que proteger o seu coração inexperiente e sonhador do charme irresistível do marquês. O que se tornará uma tarefa bem difícil, afinal, nem eu consegui resistir. 

“O amor não é unilateral e egoísta. É pleno e generoso, e modifica a vida da melhor forma possível. O amor não destrói Gabriel, ele cria.”

Umas das coisas que mais gosto nos romances de época, é que a maioria das mocinhas são fortes e à frente de seu tempo, e com Callie não foi diferente. Com um misto de doçura, ingenuidade, força e determinação, ela me fez vibrar a cada regra que conseguia quebrar. Sem contar que sua vivacidade, inteligência e intensidade, conquistam todos a sua volta, e Gabriel não será imune a isso. Falando no marquês, é praticamente impossível não se render aos seus encantos, mesmo que, vez ou outra queira esganá-lo. Ele é um tanto arrogante, fechado, perspicaz, viril e extremamente sexy. Os personagens secundários também são muito cativantes e se destacam bastante durante a história, espero vê-los em breve nos próximos livros da série.

Com uma narrativa em terceira pessoa, Nove Regras a se ignorar antes de se apaixonar nos encanta com uma trama romântica, inteligente, divertida e sagaz. Além disso, nos envolve em uma delicada e deliciosa teia de sensualidade. A autora criou uma obra de sucesso, que foi eleito um dos melhores romances de época do ano logo após o seu lançamento. Para as apaixonadas pelo gênero, assim como eu, este livro é um verdadeiro deleite. Já os leitores que não gostam muito, tenho certeza de que Sarah MacLean fará mudá-los de ideia. E se você ainda não se arriscou nesse estilo de romance, renda-se e nunca mais vai querer largá-lo. 


“– Este não foi o beijo que veio buscar – falou Gabriel.
– Ora, bem. Foi bastante agradável. Acho que estou muito satisfeita.
– Bastante agradável não deveria ser o que está procurando. Nem o beijo deveria deixá-la satisfeita.
Então ele a beijou. De verdade. Puxou-a contra si e pressionou a boca na dela possuindo-a tomando-a de uma forma que Callie nunca poderia ter imaginado. Foi como se ele lesse seus pensamentos e, quando ela não podia aguentar nem mais um instante, abraçou-a mais apertado e aprofundou o beijo, mudando a pressão.
E ela se perdeu. De repente, estava em chamas. Gabriel tinha razão. Este era o beijo pelo qual tinha vindo.
Quando ele se afastou, seus lábios se curvaram junto à orelha dela, a respiração áspera transformando as palavras mais em um afago do que um som.
– Beijos não devem deixá-la satisfeita. Eles devem deixá-la querendo mais.”





Sobre a autora:
Sarah MacLean passou boa parte da infância em meio a livros e bibliotecas, o que lhe inspirou o amor tanto por fatos históricos quanto por romances ficcionais. Formada pela Smith College e pela Universidade de Harvard, ambas em Massachusetts, foi quando se mudou para Nova York que Sarah finalmente decidiu unir suas maiores paixões e escrever o primeiro livro. Desde então, suas obras já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times, do The Washington Post e do USA Today, além de terem sido traduzidas para mais de vinte idiomas.Vencedora do prêmio RITA na categoria Romances de Época, Sarah MacLean também é colunista do The Washington Post. Ela ainda mora em Nova York, com o marido e a filha.
Acompanhe o seu trabalho:  Facebook |  Skoob | Twitter












7 Comentários

  1. Olá!

    Adoro um bom romance de época!
    Sem sombras de dúvida fiquei curiosa quanto a esse, como em todos os romances de época acredito que o final seja previsível, mas poder acompanhar a trama que levará a ele faz a diferença. Enfim, tá na lista de desejados! Adorei a resenha.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. oooi!
    já li esse livro e gostei bastante, romances de época sempre me ganham! adorei a resenha!

    lendocomela.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Não sou grande leitora de romances de época, mas essa capa realmente é super atrativa, compraria o livro só por causa dela. Mas a resenha me convenceu de que eu vou adorar a história. Ah, parabéns, o blog ficou ainda mais lindo! Sempre acompanho, gosto muito do trabalho de vcs. Bjinn

    ResponderExcluir
  4. Olá... Dai... já curti... eu gosto de romances de época, mas não são todos que me cativam para ler... mas não sei desse eu gostei a descrição que você fez da mocinha e do mocinho me deixou extremamente curiosa e morta de vontade de conhecer a história... lá vai mais um para a minha listinha interminável... tô doida para ler.... curti demais a premissa apresentada aqui... Xero!

    ResponderExcluir
  5. Oi, não sou muito fã de romance de epoca, pois eles me lembram romances de banca (não que eu tenha preconceito, longe disso) é que já li vários desses e acho que esse livro lembra esses romances de banca, então não leria, mesmo gostando da sua resenha.
    bjus

    ResponderExcluir
  6. Oi, Dai
    Eu amei essa história...
    Quando comecei a leitura, não conseguia mais parar, a história não saía da minha mente e me tornou "amiga" íntima de Callie, torcendo pela sua felicidade e para que todas as suas regras fossem cumpridas.
    Beijos e parabéns pela resenha

    ResponderExcluir
  7. Olá Dai linda!!
    Eu amo romances de época, apesar de a maioria serem meios clichés em relação ao final, mas é tão gostoso se transportar para essa época, essas mocinhas nada bobinhas e bem astutas também me conquistam!
    Já anotei a dica, com certeza vou querer ler.
    Beijocas e até mais.

    ResponderExcluir