No romance Perfumes de Paris, o luxo e a sedução da belle époque francesa serão o pano de fundo para um amor proibido e envolvente. Junto com os protagonistas, o leitor caminhará pelo Quai des Tuileries e pela Pont Neuf; visitará a catedral de Notre-Dame e se encantará com os Jardins de Luxemburgo. Também será convidado a percorrer outros lugares marcantes da Cidade-luz, como o bairro boêmio de Montmartre e seu glorioso Moulin Rouge. Mas será fora dos círculos de glamour que a protagonista conhecerá o amor.
A romântica e – ao mesmo tempo – moderna Charlotte, uma perfumista à frente de seu tempo, encontrará no pintor Pierre o maior sentimento que já conheceu. Porém, o amor chega com uma proibição causada por um antigo segredo. E, logo adiante, o casal enfrentará uma barreira ainda maior e mais severa...
Com passagem também pelos canteiros floridos de Grasse – a Capital Mundial do Perfume – e pelos campos de lavanda da região de Provence, Perfumes de Paris apresenta uma história de amor em todas as suas fases: a surpresa, o encanto, o medo, a ameaça, a sensualidade e o êxtase!

Onde comprar:

Ficha Técnica do Livro
 Páginas: 160 | Gênero: Romance Histórico, Ficção  | Formato: Impresso | Editora: Primavera Editorial | ISBN: 8555780160 | Idioma: Português | Ano: 2016





Perfumes de Paris é o primeiro livro da Coleção Amores Proibidos, de autoria de Sayonara Salvioli. Quando recebi o convite da Primavera Editorial para ler esta obra fiquei super entusiasmada e cheia de expectativas. Sempre me surpreendo positivamente com os livros que a editora publica, e dessa vez não foi diferente. Neste romance ambientado no final do século XIX, temos como cenário a luxuosa Paris e todos os encantos e tradições da belle époque. A autora não economizou nos detalhes ao descrever a cidade-luz, e isso me proporcionou uma viagem belíssima sem nem mesmo sair do lugar. Simplesmente fascinante! A história flui de forma graciosa, não pelo fato de possuir somente 154 páginas, mas por ser demasiadamente cativante. Me encantei com sua narrativa sensível, delicada e intensa, que transborda poesia em cada linha. As páginas de Perfumes de Paris é o diário pessoal de nossa protagonista, onde ela confidencia passagens importantes de sua jornada e seus mais íntimos sentimentos. A personagem principal tem uma personalidade marcante; Charlotte é uma mocinha de temperamento forte e à frente de seu tempo.

“(...) Terá o amor explicação? Surge ele como verdade absoluta ou como fórmula de perfeita equação? Não! O amor, esse sentir que não se vê – como o ar de Eugène – não tem data nem nascedouro, não precisa ter metais nem casa nem respostas. O amor é um espectro do universo, provavelmente o mais poderoso deles: aquela espécie de entidade que tem o poder da plenitude e da tragédia, da caldeira e da geleira, da paz e da guerra. Não se explica o amor como não se pode se entender os mistérios do cosmo, o leite materno, a respiração e o êxtase! O amor é quase um deus e só não impera absoluto porque o tempo rivaliza com ele.” 

Após a morte de Eugène, seu amado e querido pai, o homem que a ensinou a amar e a respeitar a natureza, e a retirar dela os ensinamentos para a vida, Charlotte fica aos cuidados de seu avô paterno. Ela é a única herdeira da famosa Chermont Perfumerie, de propriedade de seu avô, o Marquês Du Broc e Conde de Grasse, Armand de Chermont. Charlotte é uma exímia perfumista, que possui um dom único, onde consegue extrair as melhores essências e transformá-las em perfumes especiais. Como muitos a definem, ela é excêntrica e mecenas, possui espírito aventureiro e inúmeros amigos artistas, além de frequentar os lugares mais boêmios de Paris, algo que uma dama respeitável da alta sociedade jamais faria. Apesar de ser tão moderna e querer viver livremente de acordo com suas vontades, ela é romântica, delicada e sonhadora. Ao conhecer o talentoso Pierre, um pintor que não possui riquezas materiais, ela se vê perdidamente apaixonada. O destino desse casal já havia sido traçado e eles se conheciam de seus sonhos, por isso, ao se encontrarem a primeira vez, suas almas se reconheceram e não houve resistência ao se render a esse amor transcendental. Contudo, para que esse romance dê certo, o casal terá que enfrentar dramas familiares, a ira do patriarca dos Chermonts e ainda derrubar todos os obstáculos que a vida coloca em seus caminhos (que não são poucos!). Eles estão determinados a ficar juntos, não importa quantas provações terão que passar. Em meio a segredos, tragédias, revelações e empecilhos, Charlotte e Pierre viverão a paixão mais ardente que Paris já presenciou.

“(...) apenas ouça o seu coração, os seus instintos, e siga sempre adiante, na medida dos seus desejos. Ande tanto e quanto puder, e vá engarrafando os pós da estrada! Só assim você construirá o seu reino. A natureza pode ser mágica se você devolver em dobro o que lhe der: o calor do fogo, a leveza das folhas outonais pipocando sob seus pés, o tom dos frutos silvestres pintando a sua língua de vermelho e a liberdade do vento depois da tempestade parra varrer a tristeza. Devolva, pois, tudo na medida em que recebe. Essa é a medida do viver, acredite!” 
“- Pois eu serei sempre como esse ar: mesmo quando você não puder mais me ver, eu estarei por perto toda vez em que você perder o fôlego.” 

Perfumes de Paris me encantou, emocionou e me fez suspirar apaixonadamente. Realmente, a leitura é uma delicia, além de ser super elegante e repleta de valores. O amor proibido entre Charlotte e Pierre é forte, puro e verdadeiro. Esses personagens são incríveis, cheios de bons sentimentos e repletos de amor e determinação. E quando a história chegou ao final, eu queria mais e mais.  Enfim, gostaria de agradecer a Primavera Editorial por me apresentar essa trama tão deslumbrante. Obrigada por me permitir lê-la antecipadamente, eu amei cada minuto da leitura. E claro, parabenizar a autora pela belíssima obra! Espero ansiosamente pelo próximo livro da coleção.

"O amor conta as suas histórias que nenhum outro sentimento sabe narrar."







Sobre a autora:


Foi catalogada na Enciclopédia de Literatura Brasileira [COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de Literatura Brasileira. São Paulo: Global; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Academia Brasileira de Letras, 2001: 2v.] - como poeta, contista, cronista, teatróloga, biógrafa e romancista. Talvez isso sintetize a sua relação com a palavra: alfabetizou-se aos quatro anos e ingressou aos quinze na faculdade de Letras. É autora de quatro livros. Coordenou o evento Encontros com Poetas, realizado em 2007 na Fundação Eva Klabin. Como dramaturga, teve sua peça infanto-juvenil A ROUPA MÁGICA destacada na obra de Coutinho e José Galante de Sousa. A autora também é graduada em Roteiro de TV e Cinema. Como roteirista, assina os curta-metragens A ESCOLHA e RELAÇÕES e o média-metragem IMPASSE, dirigidos por Ignácio Coqueiro. Atualmente, as crônicas de seu livro LAUDA ELETRÔNICA (originado deste blog) estão sendo estudadas no âmbito de Estudos Lusófonos da Miami University. Sayonara Salvioli é Membro da APLAC – Academia Paduana de Letras, Artes e Ciências, da REBRA - Rede de Escritoras Brasileiras e de uma academia de Letras e Artes da França.












16 Comentários

  1. Olá, essa história me deixa bem interessada mas não gosto muito da capa, achei meio feinha e tão fraquinha para o que o livro merece. Gostei de ver a sua opinião sobre a bora e quero muito ler, mas não sei bem quando farei isso porque não é um livro que eu tenha ficado loucaaaa para ler.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Dai!
    Apesar de não ter curtido a capa, certamente curti o enredo da história.
    Achei bacana o fato de se passar no século XIX, certamente nos leva a uma viagem no tempo.
    Espero ler algum dia!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Apesar de não parecer ser um enredo muito original, a história deve ser encantadora ainda mais por ser uma viagem à Cidade Luz, o leitor deve se sentir em cada canto da bela Paris, sem o desconforto da viagem e pagar o preço da passagem. Muito bom.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Não sei se o fato de você ter dito que é a paixão mais ardente que Paris já presenciou quer dizer que tem cenas hot... se for o caso, só diminui minha vontade de ler que já não é muito grande. Não gostei do fato do livro ser tão curtinho, e não sou muito fã desse tipo de narrativa que transborda poesia.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ju, o livro não é erotizado, pelo contrário, ele é super sutil. A paixão é ardente, forte, transcendental... Pena que você não goste de poesia, pois a narrativa é uma delícia, além de ser poetizada. ;)

      Excluir
  5. Olá... tudo bem??
    Infelizmente não me senti contagiada pelo enredo não... apesar de gostar muito romances, nem todos me atraem da forma como eu gostaria... Outro fato que me deixou com o receio de ler foi o fato de ser curtinho... histórias com poucas páginas costumam me deixar frustrada, por isso passo longe... de qualquer forma que bom que você curtiu a história... Xero!

    ResponderExcluir
  6. Oii, tudo bem?

    Eu não sou uma pessoa especialmente fã de romances, mas alguns me chamam a atenção e eu acabo lendo e às vezes gostando, mas esse, sei lá, não me animou. A capa não ficou legal e a sinopse se concentra muito mais em enumerar os pontos turísticos do que falar da história. Outra coisa que me desanimou foi a impressão de ter cenas hot no livro. Enfim, que bom que você gostou =D

    Beijos =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI, Alexia! O livro não possui cenas hots. Mesmo eles vivendo a "paixão mais ardente que Paris já presenciou", não significa que a obra possua cenas erótica. ;) Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  7. Que interessante, fiquei interessada pela premissa. Acho Paris lindíssima, a cidade-luz, a cidade do amor. Gostei do fato de ser um amor proibido e também do texto ser mais poetizado. Amor e poesia; tudo a ver! Curti a dica! Nunca li nada dessa editora, mas começaria por esse livro, com certeza.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Dai
    Muito bom quando gostamos tanto da história e queremos mais e mais.
    Deu para perceber como você gostou.
    Fiquei interessada e curiosa para conhecer essa história tão emocionante. Que me encantar, apaixonar, suspirar e emocionar.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Dai, sua linda!
    Paris é uma das poucas cidades badaladas que eu adoraria conhecer! Sua resenha está linda como sempre! Achei que a a protagonista trabalhar em perfumaria e ser perfumista uma coisa ebm parisiense... rsrs! Eu nunca conseguiria, minha alergia ia começar em 5 segundos após a primeira essência ser aberta! O livro é fininho, mas parece ter enredo ultra cativante. Quando a gente ama uma leitura, não importa o tamanho, não é! um beijo!!!

    ResponderExcluir
  10. Oi Dai,

    Não conhecia o livro e tampouco a autora. Fiquei interessada na premissa do livro. Que legal saber que a autora ingressou na faculdade aos 15 anos!!

    Amei a resenha!

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi, Dai.
    Infelizmente a capa deixou a desejar, mas seu resenha me fez pensar que o conteúdo é melhor!! rs... A história parece ótima e como eu amo Paris, o livro já entrou na lista de desejados!
    Beijos
    Camis - Blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  12. Olá Dai,
    Tudo bem?
    Posso considerar século XIX romance de época certo? As vezes me perco nesses números já que a maioria são de XVIII para trás, bom sendo assim, já aqui o livro me ganhou! Sou apaixonada por esses romances, e a sua resenha me mostrou que o livro é forte e leve, um amor encantador e cheio de aventura! Adoro isso!! Dica anotada com certeza e ansiosa pela leitura.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    Apesar de gostar bastante, bastante mesmo de romance de época, fiquei desconfiada pelo tamanho do livro quanto a proposta da trama. o.o
    É bom saber que não vai ter enrolação entre o casal de "quero, não posso", "quero, não quero" - rs. A capa não está muito atrativa o.o. Mas achei bacana mesmo a questão do casal não ter mimimi e sim problemas em família. Quem sabe... XD

    Beijo!

    ResponderExcluir
  14. Olá, adorei a resenha. É tão bom quando a leitura flui e nos encanta (e isso deu pra ver que aconteceu com você...você curtiu muito a leitura). Confesso que pela capa eu não teria vontade de ler, sei lá...mas depois da sua resenha fiquei curiosa.

    Abraços

    ResponderExcluir