Unificada e em paz, a Terra se dedicou à ciência e à exploração espacial, descobrindo Tarilian, um planeta habitado inesperadamente próximo. As relações entre os dois mundos iniciaram corteses, mas rapidamente uma rivalidade inútil se estabeleceu, minando a amizade entre terráqueos e tarilianos. Um infeliz incidente diplomático piorou ainda mais as relações interplanetárias; a solução para o impasse se encontra no Cisne, um veleiro movido a energia solar que é um dos mais avançados biolabs flutuantes do planeta. O Cisne é também o lar da família Melbourne: os pais, Doris e Henry, são os biólogos marinhos responsáveis pelo barco; os filhos são sua irriquieta tripulação.
Sem saber que fazem parte de uma geração que decidirá o futuro do mundo inteiro, agora os jovens Melbourne precisarão dar o melhor de si para melhorar as relações entre Terra e Tarilian.

 Onde comprar: Livro Físico | E-book


Ficha Técnica do Livro
 Páginas: 723 | Edição: 2ª | Gênero: fantasia; ficção científica; aventura | Formato: Impresso; E-book | ISBN: 978-85-67218-00-7 | Editora: Mundo Uno | Idioma: Português | Ano: 2014






O Cisne é um grande veleiro movido a energia solar, um dos mais avançados biolabs flutuantes do planeta, e nele, os cientistas Henry e Doris Melborne realizam diversas pesquisas marinhas. Mas a embarcação não é somente um laboratório, ela também é o lar deste casal e de seus oitos filhos: Os gêmeos idênticos Teo e Ted, com dezesseis anos; em seguida vem mais um casal de gêmeos (também idênticos!) com quinze anos, Tim e Tom; com quatorze anos vem Pam e Peggy; depois Liz, com treze anos; e o caçulinha, Bobby, com oito anos. Peggy foi adotada pelos Melbornes com doze anos, logo após perder seus pais em um acidente, e não demorou muito para ela se entrosar com eles. Desde o início, podemos perceber que esta personagem possui poderes especiais, mas que são de conhecimento apenas de seus pais adotivos, seus irmãos nem desconfiam de tal coisa.

“(...) Tinha algo de sonhos, aquele veleiro... Talvez fosse a Lua, ou o marulhar leve das ondas, ou o balanço do barco... Ou talvez fosse aquela estranha família, deixando a bordo uma parte de sua magia. Magia? Sorrisos, alegria, um tapa nas costas, uma palavra amiga... Amizade da melhor qualidade.”

Essa numerosa, barulhenta e unida família sempre causa um grande alvoroço onde passa, atraindo pessoas de todas as idades, e o veleiro é uma atração esperada em todos os portos que atraca. No início da trama já somos apresentados a dinâmica dessa tripulação, que é composta pelos membros da família, lá todos desempenham uma função. Os irmãos estão mais agitados que o normal, pois com exceção do caçula Bobby, todos fizeram teste para ingressar na escola onde seus pais se formaram. A Escola Avançada Champ-Bleux é a mais conceituada unidade de ensino, e a mais deputada também, ela é responsável por formar os melhores cientistas da Terra, por isso, enquanto aguardam o temido resultado, os nervos de todos estão à flor da pele. Em meio a esta espera, os Melbornes recebem a notícia de que deverão receber e hospedar dois estagiários do planeta Tarilian, e com eles, dois repórteres, sendo um tariliano e outro terráqueo. Essa nova tripulação pode colocar a rotina do Cisne em risco, mas a união familiar supera qualquer dificuldade encontrada.

A narrativa do livro é bastante simples, somos introduzidos do dia a dia da família, nas brincadeiras diárias dos jovens e no cotidiano do Cisne, mas não se engane com essa simplicidade, pois ela te passará diversas mensagens. Algumas delas não aparecem de imediato, mas ao longo da leitura, ela fará toda a diferença. Os irmãos vivem em uma atmosfera amigável e divertida, sempre pregando peças um nos outros, mas quando a situação exige seriedade, eles agem com uma maturidade admirável, e não aparentam ter a idade que tem. Em meio a segredos, descobertas, mistérios, aventura e muito companheirismo, você embarcará em uma história fantástica, completa e inteligente. E eu tenho certeza de que antes de terminar o primeiro volume, você desejará fazer parte desta grande família.

“A Terra é uma preciosidade. É única, e precisa ser protegida. Creio que é isso que me sinto chamado a fazer aqui, Doris: proteger. Ainda não sei exatamente proteger o que nem do que, mas, com o tempo, vou descobrir esta resposta também.”

Narrado em terceira pessoa, Cisne nos transporta para um mundo mágico, onde tudo é possível. Eleonor tem uma escrita fantástica e muito sagaz, que nos deixa realmente ligados à trama. Confesso que o tamanho do livro me intimidou no começo, afinal, esse “livrinho” possui mais de 700 páginas. Em alguns momentos, eu fiquei bastante perdida, principalmente no início do enredo, pois são muitos personagens para assimilar e muitos diálogos, o que acabou me deixando perdida. Por isso, a leitura tornou-se um pouco cansativa inicialmente, arrastando-se por um tempo maior do que eu imaginava. Contudo, depois que me acostumei à narrativa e “peguei no tranco”, ela transcorreu com facilidade. Sendo assim, eu te aconselho a lê-la com bastante calma. A parte física da obra está impecável, assim como a revisão. A capa retrata o veleiro com perfeição, a diagramação está sutil e muito bem feita. Parabéns a editora pelo capricho! Um dos pontos que mais admirei na trama, foi a união e a amizade que os Melbornes possuem. Para mim, a família é algo de muito valor, é a nossa base e a nossa força, e ver isso retratado com tanta beleza e destaque, foi gratificante. Essa família esbanja amor, lealdade e cumplicidade. Henry e Doris são pais amorosos, que confiam e acreditam no potencial dos filhos, e os protegem com todas as forças. Vai ter um momento que você vai desejar ser adotado por eles também (rs)! E entre tantos personagens (e são muitos, heim?!), os que ganharam o meu coração foram sem sombras de dúvidas, a Peggy e o Tim.

“O Cisne é uma espécie de... lugar à parte do mundo. A gente ganha coragem de ser a gente mesmo, sem máscaras, sem fingimentos, sem poses.” – Prefácio por Thais Turesso

Recomendo a leitura para todos os apaixonados por fantasia, e para todos os que apreciam uma boa leitura, Cisne aborda de tudo um pouco, o que cativará vários tipos de leitores. Linhagens é o próximo volume da série, e nela teremos a continuidade da história. Já vou me preparando, pois o “tijolinho” é tão grande quanto este. Mas no fim, cada segundo de leitura vale super a pena! Até a próxima!






Sobre a autora:

Meu nome é Eleonor Hertzog e sou gaúcha de Porto Alegre. Pediatra por formação, sou escritora de coração. Leio desde que descobri o que eram livros; não vou dizer que escrevo desde a mesma época porque eu era realmente muito pequena. Mas, desde o primeiro livro, descobri que adorava contar histórias. No começo eram as dos livros. Mais tarde, as dos livros com alguns acréscimos. E, na adolescência, começaram a pipocar personagens, lugares e situações que não vinham de livro nenhum – estavam dentro de mim. Eu cresci, meus personagens se tornaram mais complexos. Eu aprendi, eles passaram a ver o mundo de outra forma. Tive filhos, eles souberam como ser pais e mães convincentes. O enredo se tornou mais bonito e complexo e, de repente, descobri que não tinha apenas uma história dentro de mim. Tinha mundos inteiros!
Durante anos, família e alguns amigos muito próximos me questionaram a respeito de quando eu iria finalmente considerar o livro pronto. Bom, está pronto. Orgulhosamente pronto! Cisne, o primeiro volume da sérieUma geração. Todas as decisões., estreou em 2012, esgotando sua primeira edição em pouco mais de meio ano. Em 2013, Linhagens, o segundo volume, veio se juntar ao sucesso de Cisne. Agora, em 2015,Talismãs em breve fará companhia aos seus dois "irmãos" mais novos!

Acompanhe o seu trabalho: Facebook | Skoob | Site | Twitter 









3 Comentários

  1. resenha maravilhosa!! Fiquei com vontade de ler esse livro,vou procurar na Amazom.
    beijos^^
    http://escreverdayse.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha! Bem grandinho, heim, mas fiquei interessada na premissa!
    Dica anotada!

    ResponderExcluir
  3. Tenho muita curiosidade de conhecer a escrita da autora, mas como você mesmo disse, esse "tijolinho" assusta por seu tamanho. Gostei da resenha!

    ResponderExcluir