River Kipling, mais conhecido como Capitão, está em Rosemary Beach para montar um restaurante de luxo para seu patrão. Dono de um passado sórdido e de um presente misterioso, ele não vê a hora de concluir o trabalho e ir embora da cidade para realizar seu sonho: abrir um negócio próprio à beira-mar num lugar onde ninguém tenha ouvido falar dele.
Mas, quando Capitão conhece Rose Henderson, sua ânsia de partir de repente fica em segundo plano. Há algo na risada dela que é familiar demais, e o modo como ela olha para ele o faz lembrar de alguém importante que perdeu há muito tempo. No entanto, a única coisa que Rose revela é que é uma mãe solteira que trabalha duro para sustentar a filha.
Enquanto tenta desvendar os segredos da linda ruiva de óculos engraçadinhos e curvas estonteantes e entender por que ela mexe tanto com seus sentimentos, Capitão precisa fugir da marcação cerrada de Elle, a ex-namorada que não mede esforços para afastá-lo de Rose. Ao mesmo tempo, tem que encarar os fantasmas de seu passado para se tornar um homem melhor e construir um futuro do qual possa se orgulhar.
Nesta sequência da série Rosemary Beach, Abbi Glines mais uma vez escreve uma narrativa ardente e emocionante. Com personagens verossímeis e heróis imperfeitos, O último adeusfala sobre o inesgotável poder de transformação do amor.

Ficha Técnica:
Páginas: 224 | Gênero: Literatura Estrangeira; Romance; Ficção |  Formato: Impresso, E-book | Editora: Arqueiro | Edição: 1ª | ISBN: 9788580417364 | Idioma: Português | Ano: 2017

Onde Comprar     AMAZON        SARAIVA        CULTURA   




Não sei como Abbi consegue, mas não importa quantos livros ela lance dessa série, eu sempre vou ficar caidinha de amores. Sério, não consigo enjoar! E não importa o que dizem, Rosemary Beach nunca cansa, nenhum livro é demais. Essa série é muito querida por mim, assim como para muitas leitoras, e saber que ela está chegando ao fim, já vai deixando aquele cheirinho de saudades no ar. O bom é que podemos reler sempre, não é?!


Em O Último Adeus, vamos conhecer enfim a história de River Kipling, um personagem misterioso que aguçou a minha curiosidade desde a sua primeira aparição, e foi no livro antecessor, Ao seu Encontro, que começamos a desvendá-lo. Eu falarei o mínimo possível do passado desse personagem nessa resenha, não quero estragar a surpresa de quem ainda não leu o livro anterior ou para quem resolveu ler esse livro sem ter lido os outros. Apesar de não recomendar, a trama pode ser lida de forma independente, sem problemas. Mas, com certeza, a experiência não será a mesma e algumas coisas passarão batidas. E se você leu, então já sabe o que irei omitir aqui.

Para quem não sabe, River é o irmão de Blaire, protagonista dos três primeiros livros da série, que foi adotado por outra família na infância. Sua vida com seus pais adotivos não foi um mar de flores, seu pai era ausente e sua mãe, violenta. As coisas começam a mudar quando a família resolve adotar outra criança, Addy, com quem River logo se apega, e, aos poucos, os fortes laços de amizade entre eles começam a virar outros sentimentos. Um era o apoio do outro no inferno que viviam dento de casa, e ao longo do tempo, eles experimentam a beleza do primeiro amor, viveram uma relação genuína e pura, cheia de planos e esperanças, mas que de forma abrupta é interrompida. E, ao perder o grande amor de sua vida para uma fatalidade, ele começa a se entregar a um mundo cheio de ódio, perigos e violência, transformando-o na sombra de quem foi um dia, e assim, deixou River Kipling para trás e se tornou Capitão, como agora era chamado. Durante dez anos, ele tentou amenizar a dor por ter perdido sua Addy, e os caminhos que percorreu acabaram o destruindo cada vez mais, corrompendo o que sobrou de sua alma, tornando-o um homem frio, amargurado e descrente. Contudo, ele resolveu que iria se aposentar do seu trabalho e da forma que vivia, queria levar uma vida mais tranquila. Mas antes, ele teria que ajudar na inauguração do novo restaurante de seu patrão, em Rosemary Beach.


“Ela tinha sido minha alma gêmea. Minha outra metade. Mesmo quando éramos crianças, eu sabia que ela era a melhor amiga que eu teria na vida. Não demorou muito para eu perceber que a amava. Uma vez, tive medo de amá-la demais.”

Durante os preparativos para a abertura do empreendimento ele conhece Rose, uma das funcionárias do restaurante, que por algum motivo mexe com sua cabeça e o faz lembrar de um passado muito distante, um passado cheio de culpa e saudades, um passado que ele faz questão de fugir. Por esse motivo, ele começa a tratá-la mal, sempre de modo frio e distante, mesmo que a moça nunca tenha lhe dado motivo para tal indiferença. O problema é que o jeito de Rose lembra muito sua Andy, e isso o confunde e o perturba. Mas, mesmo que negue ou dê desculpas, ela desperta nele um desejo insano, liberta seu lado possessivo e deixa a vontade de mantê-la longe duelando com o anseio de protegê-la.


“Ela era trabalhadora e mãe solteira. Não podia mandá-la embora. Tinha apenas que evitá-la, senão iria ficar mal. Junto com aquelas memórias vinha um desequilíbrio emocional. Mesmo depois de todos aqueles anos, foi um trauma que nunca consegui esquecer. Minhas atitudes após a morte de Addy me transformaram. Eu nunca mais seria a mesma pessoa.”

“Droga, eu mal tinha conversado com Rose. Não tinha nada contra ela, além do fato de me fazer lembrar de Addy. Ela trouxe de volta memórias que eu tinha me esforçado para reprimir.”

Rose é uma mulher de fibra, que teve uma infância muito difícil e passou por poucas e boas durante a juventude, e, por isso, amadureceu prematuramente. Ela engravidou aos dezesseis anos do grande amor de sua vida, mas, devido a um incidente, seus caminhos foram separados dolorosamente. Por sua filha, ela aprendeu a se virar sozinha, se empenhou e a criou com dificuldades, porém, nunca deixou nada lhe faltar, principalmente amor, tudo o que nunca teve. E foi justamente por sua filha que ela decide deixar sua vida estruturada para trás para atender a um desejo dela: conhecer o pai. Durante muito tempo, Rose procurou por ele incansavelmente, até que um dia ela conseguiu encontrar seu paradeiro, o que a levou direto para Rosemary Beach. O plano seria espreitá-lo, conhecê-lo melhor para saber se ele tinha o direito de entrar na vida de sua menininha, afinal, as pessoas mudam e muitos anos tinham se passado. Enquanto tenta lutar contra a decepção de descobrir que o garoto que um dia amou plenamente não é mais o mesmo, Rose ainda tem que lidar com os problemas no novo trabalho e com um chefe que não a trata bem, independente do que faça. E, por mais que tente, Capitão a atrai e a seduz, despertando nela a vontade de desvendar esse homem misterioso.


“Ele havia sido minha alma gêmea, meu melhor amigo, e eu carreguei aquela memória dele comigo por todos esses anos. Doía simplesmente porque eu sabia que precisava me desapegar daquilo.”

Rose e Capitão possuem algo, uma afinidade, uma conexão que vai muito além de uma mera atração, mas será que eles saberão lidar com um passado cheio de segredos, mentiras e omissões que ambos carregam? Até que ponto eles estarão dispostos a compartilhar seu passado com o outro? E, principalmente, será que o presente aguenta as revelações do passado?


“– Acho que você trouxe parte de mim de volta à vida. A maior parte de mim. (...) Eu nunca mais tinha me sentido assim.”

Eu estava super ansiosa para ler a história de Capitão, então comecei a leitura cheia de expectativas, e como sempre, não me decepcionei. Abbi Glines sempre sabe como me manter entretida, ela sabe como fisgar minha atenção e me manter cativa na história, e dessa vez não foi diferente. O enredo é bem direto, sem rodeios e logo de cara muitas questões serão respondidas. E por ser um livro relativamente curto e com uma escrita instigante, fui capaz de fazer a leitura em apenas algumas horas, devorei-a rapidamente e com voracidade. Bem, e apesar de achar que a história merecia pelo menos mais umas cem páginas antes de seu desfecho, eu amei cada momento. A trama tem uma narrativa dividida entre o passado e o presente dos personagens, e assim conseguimos conhecê-los e entendê-los melhor. River é um personagem intenso e complexo, é fascinante ir desvendando todo os seus segredos, e não é difícil ir se apaixonando mais por ele no processo. Com Rose também não é diferente, e logo de cara adorei seu jeito forte de ser, mesmo às vezes sendo tão insegura. É admirável o amor e a devoção que tem por sua filha, elas possuem uma relação preciosa.

O Último Adeus é um livro delicioso, e que para mim, tornou-se uma das histórias mais marcantes da série. A obra aborda temas como a violência doméstica, a relação negligente e abusiva de pais com seus filhos e o que isso pode acarretar na vida de uma pessoa, fala sobre perda, superação e traumas. E também fala de amor, o amor mais puro e altruísta e o seu poder de transformação. Enfim, uma história dosada com perfeição para fazer o leitor se render mais e mais a capa página virada.

O próximo e último livro da série, Pegando Fogo, já está batendo na porta, e chegou a vez de Nan contar sua história. Admito que estou com receios de ler esse livro, afinal de contas, é da Nan que estamos falando, né minha gente?! Mas, vamos que vamos! E se você ainda não conhece a série Rosemary Beach, devo dizer que está perdendo tempo, cara amiga. É impossível não se render aos seus encantos!



Sobre a autora:





Abbi Glines nasceu em Birmingham, Alabama. Morou na pequena cidade de Sumiton até os 18 anos, quando seguiu o namorado do colégio até a costa. Atualmente os dois moram com seus três filhos em Fairhope, Alabama.

Autora de diversos livros da lista de mais vendidos do The New York Times, Abbi é viciada no Twitter (@abbiglines) e escreve regularmente no seu blog.











Deixe um comentário: